Preencha os campos abaixo para submeter seu pedido de música:

Tocando agora: Carregando...

domimgao.fw_
No comando: Domingão Sertanejo

Das 8:00 as 10:30

centenarionoticias
No comando: Centenário Noticias

Das 07:00 as 08:50

PARDAL E CELSO CARLOS
No comando: CELSO CARLOS e PARDAL – Saudade Jovem

Das 07:00 as 09:00

Serafimmmmmm
No comando: André Serafim – Manhã Sertaneja

Das 08:50 as 12:00

MARIO DE MARQUI
No comando: MARIO DE MARQUI – CONEXÃO 104

Das 09:00 as 10:30

CELSO E CLEIA
No comando: CELSO CARLOS e CLÉIA REGINA – Balancê

Das 10:30 as 12:20

20180111_153909
No comando: Geferson Sgarbi – Segura Peão

Das 10:30 as 13:00

lourdes
No comando: LOURDES FORTE – Gospel Mix

Das 12:00 as 13:00

top 20 Videos BujaHits
No comando: TOP 20 SERTANEJO

Das 12:30 as 13:30

LEANDRO DA MATA
No comando: LEANDRO DA MATA – TARDE DE DOMINGO

Das 13:00 as 16:00

WhatsApp Image 2019-12-02 at 09.54.10
No comando: Kassia Avibar – As mais mais da Centenário

Das 13:00 as 16:00

dilsinho2-250x300
No comando: DILSINHO CARMANHANI – VOO 104

Das 13:30 as 16:00

Serafimmmmmm
No comando: André Serafim – Tarde Sertaneja

Das 16:00 as 17:30

Cultura-VIOLA-CAIPIRA-2
No comando: JOCA E NARDÃO RELÍQUIAS SERTANEJAS

Das 16:00 as 19:00

0a60e08d-03ae-42d5-8b29-0f86920ab213
No comando: PAULINHO RIBEIRO – CIRCUITO DE RODEIO

Das 16:00 as 19:00

45674698_1810189199089621_1720068770652749824_o
No comando: Reginaldo Pedrassoli Só Clássicos Sertanejo

Das 17:30 as 19:00

Voz do Brasil
No comando: A VOZ DO BRASIL

Das 19:00 as 20:00

No comando: VINÍCIUS e AUGUSTO

Das 20:00 as 21:30

Top 30
No comando: TOP 30

Das 20:00 as 22:00

Governadores farão reunião para discutir coronavírus e Bolsonaro

Compartilhe:
09

Os 27 governadores do Brasil farão uma reunião no final da tarde desta quarta-feira, 25, para discutir a pandemia de coronavírus e a crise política desencadeada por pronunciamentos do presidente Jair Bolsonaro, que tem criticado as ações adotadas pelos estados nos últimos dias.

Segundo o governador João Doria (PSDB), a reunião, que será feita por videoconferência das 16h às 18h, foi convocada em razão da “gravidade da situação do país” e do “comportamento do presidente da República”.

Será a primeira reunião conjunta de todos os governadores desde o início da crise causada pelo avanço do novo coronavírus.

Após o pronunciamento da noite da terça-feira 24, o presidente Jair Bolsonaro afirmou, na saída do Palácio da Alvorada, que “alguns poucos governadores, em especial os do Rio [Wilson Witzel] e São Paulo [João Doria]” e autoridades municipais estão tomando medidas “além da normalidade”. “São verdadeiros donos de seus estados e municípios, proibindo o tráfego de pessoas, tráfego de rodovias, fechando empresas e comércios”, acrescentou.

Bolsonaro também afirmou que pedirá ao Ministério da Saúde que mude a recomendação de isolamento social para manter em quarentena apenas idosos e pessoas com doenças prévias. Na avaliação de Bolsonaro, “é preciso botar povo para trabalhar e preservar idosos”, pois, caso contrário, pode haver “caos” e o “colapso financeiro”, o que, segundo o presidente, pode fazer com que o Brasil saia “da normalidade democrática”.

Pouco depois, o governador de Goiás, Ronaldo Caiado (DEM), fez um duro pronunciamento, com críticas às declarações de Bolsonaro. Caiado afirmou que Bolsonaro foi “irresponsável” e criticou duramente os termos “gripezinha” e “resfriadinho”, usados pelo presidente para classificar os sintomas do coronavírus. A doença já matou 46 pessoas no Brasil e mais de 19.000 em todo o mundo.

“Tanto na política como na vida, a ignorância não é uma virtude”, disse Caiado, em entrevista coletiva no Palácio das Esmeraldas. A frase usada pelo governador faz referência a uma fala de 2016 do ex-presidente americano Barack Obama contra o populismo manifestado pelo então candidato republicano à Casa Branca, Donald Trump.

“Não posso admitir e nem concordar com um presidente que vem a público sem ter consideração com seus aliados, sem ter respeito. Fui aliado de primeira hora durante todo o tempo, mas não posso admitir que venha agora, um presidente da República, lavar as mãos e responsabilizar outras pessoas pelo colapso econômico e pela falência de empregos que amanhã venham a acontecer. Não faz parte da postura de um governante. Um estadista tem que ter a coragem de assumir as dificuldades. Se existem falhas na economia, não tente responsabilizar outras pessoas. Assuma sua parcela”, disse Caiado.

 

Fonte: Veja

Deixe seu comentário: